Empréstimo pessoal ou crédito consignado: qual escolher?

Se atrapalhar com as contas no fim do mês é super normal, principalmente quando acontecem imprevistos que nos deixam com os bolsos vazios. Sempre recomendamos a todos leitores a terem uma reserva de emergência para estas casos, mas esta não é uma cultura difundida no país e, por isso mesmo, muitas pessoas recorrem aos bancos para conseguir empréstimos. Seja para pagar um imóvel, cuidar de alguém em uma emergência de saúde, pagar os estudos, quitar uma outra dívida ou até mesmo satisfazer alguma necessidade de consumo pessoal.

Entretanto, com tantas opções no mercado financeiro, há quem fique em dúvida sobre qual tipo de empréstimo fazer. Os mais populares atualmente são o pessoal e o consignado, por serem os mais facilitados do mercado hoje em dia e oferecer uma grande variedade de benefícios (ou pseudo benefícios,uma vez que emprestar dinheiro raramente é um bom negócio). Mas qual escolher?

Preparamos um guia rápido sobre as diferenças de cada um, suas principais características e em que momento cada um deles é indicado. Para saber mais, basta continuar lendo.

Crédito consignado

Trata-se de um empréstimo feito por meio de um banco ou outra instituição financeira, em que o cliente pega uma quantia e paga suas parcelas aos poucos. Nesse caso, não há como atrasar as parcelas, pois o dinheiro é descontado diretamente do salário ou aposentadoria do solicitante, em uma data de vencimento estipulada previamente.

Como o pagamento é descontado diretamente da aposentadoria ou salário, os bancos tem mais segurança de que vão receber o dinheiro e os juros corretamente, então as taxas cobradas para realizar esse tipo de empréstimo costumam ser bem menores. Além disso, você não precisa citar em momento algum o motivo da solicitação, pois o dinheiro pode ser utilizado para qualquer fim, sem ter que comprovar o destino. Tudo fica na responsabilidade de quem solicitou.

Empréstimo Pessoal e Consignado

Empréstimo Pessoal e Consignado

A dica para quem optar por esse tipo de empréstimo é ter certeza de que pode pagar por ele. Mesmo que o crédito seja aprovado, é necessário que você mesmo avalie se consegue controlar os gastos e viver com menos do que está acostumado por um tempo, pois tudo será descontado automaticamente, mesmo se você perder seu emprego.

O limite de crédito é ditado por lei e as parcelas não pode exceder 35% do salário do solicitante. É importante ressaltar que o número de parcelas varia de acordo com as condições do cliente, como se ele é empregado, servidor público ou aposentado, sendo que para os dois últimos casos, os benefícios são ainda maiores.

Empréstimo pessoal

Enquanto isso, o empréstimo pessoal funciona da mesma forma, tirando o fato de que o dinheiro é descontado automaticamente do seu salário. O cliente vai até o banco ou financeira, faz o pedido, o crédito é aprovado, o dinheiro é recebido e o pagamento é feito em parcelas mensais, por meio de boleto ou carnê, em um prazo combinado previamente em um contrato no momento da solicitação.

Assim como no crédito consignado, o indivíduo pode utilizar o dinheiro para qualquer fim, sem precisar justificar ao credor o motivo de estar pedindo dinheiro. O diferencial está principalmente no que diz respeito as taxas de juros. Como não há certeza de que todo o dinheiro será recebido de volta, o banco precisa cobrar tarifas que garantam o seu lucro, mesmo que haja inadimplência no caminho. Além isso, as quantias emprestadas costumam ser menores.

Por isso, a análise de crédito costuma ser mais rigorosa e caso você tenha o nome sujo, fica mais difícil conseguir que o empréstimo seja aprovado.

Qual escolher?

Ninguém deve fazer dívidas pensando na possibilidade de não pagá-las. Portanto, se você fizer parte do grupo que consegue o crédito consignado com facilidade, é aconselhado que você opte por ele. O motivo é simplesmente que sairá mais barato para você, pois os juros são bem menores do que em relação ao empréstimo pessoal.

Em média, a taxa de juros cobrada pelos maiores bancos brasileiros atualmente, no que diz respeito ao empréstimo pessoal, gira em torno de 4,50% ao mês. Enquanto isso, quem opta pelo crédito consignado consegue encontrar uma média de apenas 1,88%. Em um mês, esse valor pode até não aparentar tanta diferença, mas em um parcelamento de uma dívida em 36 vezes, é possível economizar uma quantia muito boa que seu bolso irá agradecer.

Uma boa dica independente do tipo de empréstimo a contratar é saber que nunca se deve usar o cartão de crédito ou cheque especial para algo supérfluo e sem previsão de pagamento. Os juros nestas modalidades ultrapassam os 10% ao mês e, no longo prazo, os efeitos são potencializados consideravelmente. Caso precise de dinheiro,

[/caption]

Deixe sua mensagem

Your email address will not be published. Required fields are marked *