Como funciona o Cadastro Positivo?

O tema do artigo de hoje foi sugestão de um de nosso leitores. Em um comentário deixado aqui no blog, ele afirmou que gostaria de saber um pouco mais sobre o Cadastro Positivo, com foco para as vantagens e desvantagens do serviço. Como a opinião dos leitores importa muita, decidimos escrever um texto esclarecedor sobre o assunto, com todas as informações disponíveis.

Para entendermos melhor como funciona o Cadastro Positivo é preciso pensar pelo lado oposto, ou seja, pelos cadastros negativos. Quando um consumidor tem dívidas, o nome dele é inserido nas listas do SPC, Serasa e outro bancos de dados semelhantes. Com isso, qualquer empresa pode fazer uma consulta para saber se aquela pessoa é ou não “boa pagadora”.

Em 2013 foi lançado o Cadastro Positivo. O objetivo era enfatizar não os pontos negativos dos consumidores, mas sim os pontos positivos. Quem não tem dívidas, paga as contas em dia e honra com os contratos de crédito firmados poderia ser inserido na lista de “bons pagadores”. A partir desse banco de dados de pessoas com risco de crédito menor, os bancos e instituições financeiras conseguiriam oferecer empréstimos e financiamentos com condições facilitadas para esses consumidores com “nome limpíssimo”.

Porém, o Cadastro Positivo não deslanchou como era o esperado. Ainda hoje, a relação de bons pagadores cadastrados é bem menor que o esperado no momento da criação do cadastro. No início do ano passado, eram 1,5 milhões de cadastrados, um número bastante inferior aos 40 milhões estimados pelos criadores do serviço.

Entenda melhor o que é e quais são as vantagens do Cadastro Positivo.

Entenda melhor o que é e quais são as vantagens do Cadastro Positivo.

Como funciona o Cadastro Positivo?

O Banco Central regulamenta a criação de cadastros positivos, mas não é responsável pela administração de qualquer uma dessas relações. A Serasa Experian, que conta com um dos principais cadastros negativos, é também gestora do Cadastro Positivo: https://www.cadastropositivo.com.br/.

O sistema funciona por adesão, ou seja, ninguém entra para o cadastro se não quiser – diferentemente dos cadastros negativos. Ao aderi ao Cadastro Positivo, o consumidor concorda em disponibilizar informações financeiras para empresas que realizam consultas de crédito. Se você tiver, por exemplo, comprado um carro financiado, na consulta será possível saber o valor do carro, o preço de cada parcela, quantas prestações você já quitou e a data de vencimento.

O objetivo é que, a partir dessas informações, os bancos, financeiras e lojas tenham mais facilidade para fazer a análise de risco de crédito. Por meio do Cadastro Positivo, o consumidor conseguiria obter crédito na praça de forma mais rápida. Em outras palavras, o histórico financeiro dos cadastrados fica acessível, o que pode ajudar na concessão de crédito.

O problema é que muitas pessoas vêm essa disponibilidade de informações com desconfiança. Afinal, as empresas conseguiriam descobrir dados relevantes de seus clientes e, para várias pessoas, isso seria mais negativo do que positivo.

Como se cadastrar grátis?

No site do Cadastro Positivo, é possível fazer a adesão sem pagar nada. Porém, o consumidor precisa estar de acordo com a disponibilização de informações. A primeira exigência do Termo de Adesão é concordar com a seguinte autorização.

Autorizo a abertura de cadastro para anotação dos dados relativos a todas as obrigações pecuniárias assumidas ou que venham a ser assumidas por mim perante quaisquer pessoas jurídicas ou naturais com as quais eu mantenha ou venha a manter relação comercial ou creditícia, abrangendo os dados financeiros e de pagamentos relativos às operações de crédito e obrigações de pagamento adimplidas em seus respectivos vencimentos ou em atraso, e aquelas a vencer, para constarem do(s) Banco(s) de Dados indicado(s) abaixo, com a finalidade, única e exclusiva, de subsidiar a análise e eventual concessão de crédito, a venda a prazo ou outras transações comerciais e empresariais que impliquem risco financeiro.

A gente sugere que você leia com bastante atenção todas as exigências do Termo, assim como o normas de funcionamento do Cadastro Positivo. Dessa forma, você saberá exatamente o que está fazendo antes de concordar com a adesão ao cadastro.

Além de preencher o formulário de adesão o consumidor precisa usar o Certificado Digital, que funciona como uma assinatura. Outra possibilidade é entregar o Termo de Adesão devidamente preenchido em uma Agência Serasa Experian ou enviar o documento pelos Correios. Após seguir todos os passos de inscrição, o consumidor passará a estar cadastrado na lista de “positivados”.

Vale a pena participar do Cadastro Positivo?

O que acontece atualmente é que o banco de dados do Cadastro Positivo não possibilita que a relação funcione plenamente. Dessa forma, fica difícil saber se a participação realmente vale a pena. Para que o consumidor seja realmente beneficiado pela sua adesão ao Cadastro, é preciso que o número de empresas parceiras seja maior, assim como número de cadastrados.

A confiabilidade da Serasa Experian é bem grande. Nesse aspecto, acreditamos que o consumidor que deseja se cadastrar não precisa ter receios.

Quem é autônomo, por exemplo, pode se beneficiar com a inscrição porque os dados contidos no banco de dados substitui os comprovantes de renda. Outro detalhe é que os negativados também podem se cadastrar, possibilitando que as financeiras tem acesso também às informações sobre os pagamentos que estão em dia.

Concluindo, consideramos que o Cadastro Positivo pode ser uma boa opção, desde que o consumidor entenda como o sistema funciona. Caso você se cadastre e não goste dos resultados, vale lembrar que é sempre possível excluir o seus dados do sistema.

[/caption]

Comentários
  1. Francis
  2. Italo Silva
    • Flávio
    • Fábio

Deixe sua mensagem

Your email address will not be published. Required fields are marked *