Como calcular os juros Pro Rata?

Em contratos financeiros ou em um simples fatura de cartão de crédito, é possível encontrar termos específicos do ramo financeiro, entre eles os juros pro rata. O nome, embora diferente e pouco explorado, significa nada mais que proporção. Na prática, os juros não são calculáveis sobre o valor cheio de todo o mês mas sim, na proporção do atraso diário.

Como exemplo simples, imagine que você tem um contrato de internet e telefonia a R$50,00 mensais que começará no dia 01 e vence no dia 30. Se você começou seu contrato dia 10 (portanto, com 9 dias após o início do ciclo), não seria justo pagar por todo o período se usará apenas 21 dias do serviço, correto? Nesse caso, temos uma cobrança pro rata, que vai pegar o valor proporcional aos dias efetivamente utilizados.

Para saber como ficará o valor devido após aplicação pro rata, então devemos tomar por base o valor cheio. Continuando com o valor citado acima, se você tem um contrato de R$50,00 pelos 30 dias do mês, se você se utilizar o serviço apenas por 21 dias, então deverá pagar um valor de R$35,00 do período. A forma de fazer o cálculo é simples, basta uma regra de 3.

Para quem não está muito habituado a matemática, vamos refazer a conta passo a passo aqui. O raciocínio é o seguinte: se em 30 dias, pago R$50,00, em 21 dias pagarei X. Multiplica-se 21 dias, por R$50,00 e depois divide-se por 30 dias.

Outra forma de colocar as coisas é sabendo quanto vale cada dia utilizado. Nesse caso, divida o valor de R$50,00 por 30 dias. Teremos R$1,66 por dia. Depois, multiplique este valor pelo número de dias decorridos, no caso, 21: 1,66 * 21 = 35. Ou seja, pagar-se-á R$35,00 pelo período.

Pro Rata Die

dados juros pro rata

Os juros pro rata são juros proporcionais ao tempo

O exemplo acima refere-se a cobranças proporcionais baseadas em dias, portanto, além de ser uma cobrança pro rata pode também ser referida como pro rata die, ou seja, proporcionalmente aos dias.

Se pegarmos um contrato que prevê juros pro rata die, isso quer dizer que, a cada dia passado da data de vencimento, será acrescido de um valor. Novamente, usando outro exemplo. Suponhamos que sua conta tenha uma multa de 2% e 0,5% de juros ao dia. Se você atrasar o pagamento, pagará 2% de multa (equivalente a R$1,00) e não há nenhuma variação, pois se trata de uma cobrança por evento. Além disso, há o pagamento de, aproximadamente, R$0,25 ao dia de atraso referente aos juros pro rata die.

O valor é aproximado pois poderá ser determinado se o cálculo será por juros simples ou juros sobre juros+. Em caso de juros simples, não há diferença, mas se for juros sobre juros,  então a cada dia o valor será maior, porém como se trata de centavos, a diferença é quase insignificante no exemplo. Para valores maiores, o peso será diferente.

Pro Rata Temporis

Quando a cobrança proporcional não é feita por dia, pode-se utilizar outra expressão, a pro rata temporis. Nesse caso, o valor é cobrado sobre outro período de tempo não especificado, por exemplo, mensal.

Imagine um contrato de aluguel efetuado por 12 meses com pagamento mensal de R$500,00 e, ao fim de 10 meses, você resolve entregar o imóvel. Até o 10º mês você pagou o aluguel corretamente, mas o contrato previa uma multa pro rata em caso de desistência antecipada. Sobram 2 meses não pagos que é o valor pro rata previsto em contrato. Sendo assim, a multa pelo encerramento antecipado é de R$1000,00.

A única diferença aqui é o período de tempo do cálculo e não a maneira de fazê-lo. Fique sempre atento aos contratos, principalmente, como se dará a cobrança de multa sobre atrasos ou desistências.

[/caption]

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *