GFIP: O que é? Como Recolher e Pagar o Imposto?

Impostos e taxas nos rodeiam e encham nossa vida financeira de siglas e termos que nem sempre compreendemos. Saber o que eles representam pode ser a garantia de que não teremos problemas futuros com a nossa prestação de contas.

Mas para isso é importante destacar alguns assuntos mais relevantes, por exemplo, você sabe o que é o GFIP? Se a resposta foi não, continue lendo este artigo e conheça a Guia de Recolhimento do FGTS.

O que é o GFIP?

Em termos gerais o GFIP nada mais é que a Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e de Informações à Previdência Social. Criada em 1999 para substituir a FGTS-GRE (guia de recolhimento do FGTS), a guia em questão serve para o recolhimento do, citado anteriormente, FGTS mas também é a fonte utilizada para o controle e envio de dados e informações sobre os segurados à previdência social.

A emissão e entrega dessa guia é de responsabilidade dos empresários e pessoas jurídicas, por esse motivo é considerada fonte de informações reais e seguras. A obrigação de entregar a GFIP de forma mensal ocorre em casos como:

FGTS

Entenda a relação entre o FGTS e o GFIP

  • Há necessidade de recolher o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) dos funcionários;
  • Existe a necessidade de fornecer informações sobre os funcionários para a previdência social afim de que estes tenham acesso aos seus direitos trabalhistas.
  • Os principais benefícios associados à implementação da GFIT são o recolhimento mais eficiente do FGTS e fácil acesso à informações importantes para auxiliar na comprovação de tempo de contribuição. Para que a guia esteja dentro dos padrões, é necessário que ela contenha as seguintes informações:
    Dados da empresa (nome, razão social, CNPJ, endereço do estabelecimento, etc);
  • Informações básicas sobre o funcionário;
  • Valores que devem ser repassados ao Instituto Nacional de Seguro Social (INSS);
  • Valores do recolhimento do qual será feito o FGTS;
  • Salário bruto do funcionário (incluindo benefícios previstos no contrato).

O GFIP deve ser preenchido e entregue de forma magnética até o sétimo dia útil do mês posterior ao que o funcionário foi mandado embora. Para envio da GFIP é necessário que a pessoa jurídica utilize o Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social (SEFIP).

Entenda o SEFIP

O Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social, também conhecido como SEFIP, nada mais é que um programa no qual o empregador consegue inserir os dados necessários (da empresa e do funcionário) e, então, gerar as guias de recolhimentos do FGTS, a GFIP.

Estes dados a serem entregues devem ser feitos por meio do canal eletrônico da Caixa Econômica Federal, chamado Conectividade Social, que permite que qualquer pessoa jurídica gere o GFIP em instantes. Para ter acesso à página basta clicar aqui.

Todos os dados cadastrados e disponibilizados por meio deste processo serão utilizados pela previdência social. Os principais objetivos, da GFIP são:

  • Fácil acesso aos dados fornecidos pelas empresas, por parte da previdência social;
  • Facilidade para a pessoa jurídica;
  • Recolhimento do FGTS de forma individual e maior controle;
  • Informações concentradas em um banco de dados;
  • Maior agilidade na prestação de serviços e controle para que, assim, o empregado não perca seus direitos trabalhistas.

Junto com estes objetivos, foram gerados benefícios com a modernização e uso da GFIP de forma eletrônica, tais como: maior segurança, facilitação do processo de recolhimento do FGTS, facilidade para o contratante em cumprir suas obrigações de forma prática.

Ficou com alguma dúvida a respeito do processo de recolhimento do FGTS? Deixa aqui nos comentários que teremos o maior prazer em ajudá-lo.

[/caption]

Comentários
  1. Ana
    • Flávio

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *